BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Você sabe o que significa exatamente o threshold? E por que encontramos ele em diversos tipos de processador de dinâmica? É sobre isso que falaremos no texto de hoje.

Antes de iniciarmos, o threshold pode ser traduzido como um ponto limítrofe. Mas o que ele significa exatamente em cada um dos diferentes processadores de dinâmica? Se você ainda não entende muito bem como funciona o compressor – que é um dos processadores de dinâmica -, dê uma olhada nesse vídeo que você entenderá como funcionam os parâmetros do compressor.

Texto baseado no vídeo “Como Funciona o Threshold no Compressor”, disponível no canal da Ossia no Youtube.

Você sabe como funciona o threshold em diferentes tipos de processadores de dinâmica? Vamos mostrar a função específica dele nos mais variados equipamentos a seguir.

Primeiramente, vamos começar com processadores de dinâmica que tendem a controlar a amplitude de determinado sinal.

Ah! Se você tiver alguma dúvida sobre os termos citados neste texto, faça o download gratuito do nosso Glossário de Áudio, ele foi atualizado recentemente e pode te ajudar bastante com palavras e conceitos técnicos.  

 

Limiter

No Limiter, temos a função de limitar, como o próprio nome já sugere, a amplitude máxima em níveis de pico, ou mesmo em nível RMS, a depender do funcionamento de cada um dos dispositivos. A questão é: o threshold vai servir como ponto limítrofe, o ponto até onde, ou a partir de onde, ele começa a aplicar a limitação no sinal e colocar ele de acordo com os parâmetros estabelecidos.

Então quando colocamos, por exemplo, um ceiling de -1 dB e um threshold de -3 dB, ele começará a atuar a partir de -3 e causará uma limitação de até -1 decibéis, ou seja, o ceiling (teto) máximo dele. Sendo assim, o threshold é utilizado como o ponto que ele, de fato, irá começar a atuar no sinal.

Logicamente, o ataque, que é um parâmetro disponível em alguns limiters, também precisa estar bem rápido pois ele atua nos primeiros picos. Além disso, ele vai parar de atuar dependendo do release. Portanto, depende muito desses parâmetros, e o ponto a partir de onde ele começa a agir é o threshold. Ou seja, passou dele, será aplicada a redução de ganho do limiter.

 

Compressor

Basicamente, temos no compressor o controle de threshold, onde também é o ponto a partir do qual ele começa a atuar no sinal. Também há, no compressor, o knee, que também influencia no quanto a partir do qual ele começa a comprimir. Quando deixamos o knee em hard, faremos com que ele atue bruscamente a partir de certo ponto no threshold. Se ele estiver mais suave, teremos uma curva maior e a compressão aplicada será suave, dos sinais de baixo até o momento de atingir o threshold.

Nesse compressor, temos um controle do knee, mas quem estabelecerá de fato o ponto limítrofe será o threshold. Ele atuará um pouco antes com um knee mais suave – posteriormente e de forma brusca com o knee em hard.

 

Gate

No Gate, temos outro tipo de processamento de dinâmica. Ele tem justamente a função contrária à função do compressor e do limiter. No caso, ele fará com que o sinal passe a partir de determinado ponto estabelecido pelo threshold. Então, se você estabelecer um ponto, por exemplo, em -25 dB, todo sinal que ultrapassar esse valor de acordo com o tempo de attack e de release, sairá. Do contrário, ele sofre uma redução e não aparece.

Ele também possui um knee na atuação, que também depende do attack, do release e do hold – o tempo que segura sem permitir o aparecimento nem do release, nem do attack. E tudo isso afeta muito o comportamento de cada processador dinâmico. No entanto, aqui, a função do threshold é essa: determinar a partir de que ponto o sinal vai passar.

 

Expander

No caso do Expander, temos uma lógica semelhante à do Gate, sendo a diferença principal que, aqui, afastaremos dois níveis de sinal diferentes. Então, colocaremos um ratio específico em duas camadas de sinais diferentes distantes a partir do range – o quanto de distância que estabeleceremos entre as duas camadas. Aqui, o threshold servirá para trazer esse ponto um pouco mais para cima ou para baixo.

A função do Expander em si, é reduzir uma camada e deixar passar simplesmente o que está a partir de uma outra camada; é quase como se fosse um Gate, pois ele aplicará uma redução de ganho específica apenas no sinal que ultrapassa aquilo que foi determinado no threshold. No entanto, ele não terá um ratio infinito, mas sim um ratio parametrizado por você na sua produção.

Deu para ter uma noção do funcionamento do threshold em cada processador de dinâmica? No caso do compressor especificamente, ele vai comprimir o sinal, mas não vai segurá-lo nem dividi-lo em duas camadas.

Espero que vocês tenham aprendido a utilizar o threshold nas mais variadas situações. Temos disponíveis para download gratuito na Ossia vários materiais que poderão servir de base, incluindo esse infográfico sobre Home Studio – como montar o seu.

home studio

Fique atento no Blog da Ossia que sempre traremos novos textos sobre os mais variados temas referente a sua produção e mixagem.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *