BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Esse texto foi baseado no vídeo “Como enviar arquivos de áudio para plataformas digitais “. Nele, eu explico qual a melhor maneira e os principais cuidados que são necessários na hora de enviar seu arquivo de áudio. Confira!

Fala galera, tudo beleza? No texto de hoje eu vou falar para você sobre como enviar arquivos de áudio para plataformas digitais. Vamos ver qual deve ser o codec, o container, o quanto de sample rate, bit depth, loudness e outros detalhes.

 

Conhecendo o Codec

Primeiro é importante entender que cada uma das plataformas trabalha com um modelo de Codec. Mas afinal, o que são os codecs?

Em resumo, eles são codificadores e decodificadores que tem como função principal, compactar os dados para facilitar o processo de enviar arquivos de áudio para plataformas digitais. Depois, o próprio codec descompacta o arquivo para que possa ser reproduzido. Essa compactação é feita por diferentes tecnologias, mas de modo geral, ele acaba cortando ou reduzindo algumas características do arquivo de áudio, para que diminua o tamanho final dele. Esse processo acaba reduzindo também o peso e a quantidade de dados do arquivo.

Quando compactado, a taxa de bit rate ou a quantidade de dados por tempo acaba ficando menor. Isso, é claro, reduz o tamanho do arquivo, fazendo com que o processo de enviar seus arquivos de áudio para plataformas digitais fique mais rápido. Esses Codecs então colocam os arquivos em um determinado container que são basicamente os diferentes formatos de arquivos que nós conhecemos. Quando falamos de vídeo, os formatos mais conhecidos são o AVI e o MP4, já para áudio temos o MP3 e o WAV, por exemplo.

Os Codecs chamados de Lossless, são aqueles que não apresentam perda de data. Já os Codecs chamados Lossy, apresentam uma redução no bit rate e na “data” do arquivo. Alguns exemplos deste tipo de codec são o MP3, Ogg Vorbis e AAC. Esses em geral são os formatos mais utilizados no mercado, principalmente por plataformas de streaming, que transferem os arquivos originais para um desses Codecs Lossy e já fazem a reprodução para o usuário final do arquivo reduzido.

Sendo assim, é normal que o produto perca um pouco de qualidade, principalmente em alguns fatores como profundidade dinâmica ou resposta de frequência, dependendo de como funciona o encoder desse Codec. No momento em que o encoder vai diminuir o tamanho do arquivo, ele vai fazer isso através de um corte na faixa de frequência, um corte na dinâmica, vai pegar as informações que estão com menos intensidade e cortar elas para reduzir o fundo ou até diminuir a amplitude do arquivo. Quando você enviar arquivos de áudio para plataformas digitais, um destes processos será realizado para que o arquivo fique menor.

Na Amazon Music, por exemplo, existe um corte nas frequências hiperagudas, então, eles retiram todos os dados que reproduzem este tipo de frequência acima de 15.000 Hz. A consequência disso é percebida por aqueles que possuem um bom sistema de reprodução de som, que acabam perdendo um pouco de qualidade.

Já o YouTube trabalha afetando a dinâmica do arquivo de áudio, fazendo com que o arquivo perca um pouco de variação e diminuindo as informações que ficam de background com menor intensidade.

Para testar como isso funciona, basta você pegar um arquivo WAV de alta qualidade e postar  no YouTube e depois reproduzir os dois para comparar a qualidade. Você vai perceber que algumas das características de fundo que compõem a música vão acabar desaparecendo.

Por isso, antes de enviar arquivos de áudio para plataformas digitais, leve em consideração como o codec trabalha e tente evitar que o resultado final de sua mix sofra muitas alterações.

 

Como não perder qualidade ao enviar arquivos de áudio para plataformas digitais

Vou falar sobre algumas plataformas específicas e explicar para você como o Codec de cada uma delas atua. Assim, quando você enviar seu arquivo, já estará preparado. As plataformas são:

 

you tube logoSua master de preferência deve estar no formato WAV, que é um container Lossless. Ele deve conter um sample rate de 48 Kz e um bit depth de 24 bits.

Assim, o YouTube consegue entender melhor quais partes serão cortadas com relação às características dinâmicas. Para diminuir este efeito, antes de enviar arquivos de áudio para plataformas digitais, tenha certeza que seu master não apresenta integrated loudness de -13 LUFS e nem um peak level acima de -1.

 

SpotifyPara enviar arquivos de áudio para plataformas digitais como o Spotify, você deve utilizar o Pulse-Code Modulation em WAV, com o sample rate de 44.100 Hz e um bit depth de 16 bits. Você já pode fazer o envio do arquivo com Codec, utilizando o Ogg Vorbis com 320 kbps de bit rate.

Então, sim, o Spotify só vai ter 320 kbps de bit rate no final das contas. Se você já enviar o arquivo assim, é legal, pois ele já vai manter o mesmo sample rate e não precisará fazer um resample para reproduzir sua música. Lembrando que você pegará um arquivo WAV com bit rate de 1411 Kbps e vai transformar ele em um Ogg Vorbis de 320 Kbps. Essa diminuição de dados fica mais clara no range de frequência e na dinâmica também.

 

Tidal_logoUma das únicas plataformas de streaming Lossless. Ele recebe containers WAV com 44.100 de sample rate e também com um bit rate de 1411 bits. Por ser Lossless, ele vai reproduzir seu material exatamente com a mesma qualidade, com um Codec e um Container chamado Flac. Isso é um grande avanço, já que a plataforma reproduz o arquivo com todas as características presentes na versão final da masterização, com uma qualidade semelhante ao CD.

 

Esses são os principais cuidados que você precisa ter na hora de enviar arquivos de áudio para plataformas digitais.

infografico mercado da musica

Se você ainda está começando e quer aprender mais sobre o mercado de mixagem e da música, faça o download gratuitamente de nosso E-book “Mercado da música – Direitos”. Neste material, você vai aprender sobre os direitos autorais de músicas, como funciona o mercado e o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD)!

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *