BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Muita coisa se fala na internet sobre os presets de mixagem. Mas realmente, de fato, eles são funcionais? Veremos a seguir algumas ideias que talvez você não tenha observado.

Sobre o Preset de Mixagem

Antes, vamos definir para quê um preset de mixagem serve. O preset ou pre-setting seria um tipo de pré-configuração. Ou seja, são arquivos criados para salvar determinadas parametrizações de plugins.

Quando uma determinada empresa vai desenvolver pacote de presets, ela usa duas orientações:

1- Marcas de engenheiros e produtores que criaram determinadas parametrizações para funções específicas.
2- Seleciona funcionários da própria empresa para que eles criem parametrizações que trarão características específicas em nível sônico de sinal.

Sabendo disto, vamos exemplificar o porquê não usamos presets da forma como eles vêm diretamente dos fabricantes.

A tecnologia ajudou a condicionar as pessoas a produzirem de forma autônoma seus conteúdos digitais. Vivemos um momento fantástico da história se comparado às últimas décadas. O mundo do áudio digital fez com que todos os processos de gravação ficassem mais acessíveis e ajudou a elevar a qualidade. Com essas vantagens vieram também alguns contrapontos.

 

Os problemas do “tudo-pronto”

Hoje, os problemas da gravação de áudio se tornaram mais fáceis de resolver. Até poucos anos atrás, devido aos equipamentos disponíveis, as dificuldades em obter o melhor desempenho no resultado final e as barreiras tecnológicas, uma gravação era produto exclusivamente de “especialistas”. Com a atual tecnologia digital, se queremos um arranjo em uma música qualquer, simplesmente escolhemos a linha ideal. Além de ter um músico tocando, em uma performance gravada, temos também a opção de usar um sampler. Antes, era preciso contratar um músico que executasse o arranjo.

No entanto, ambos continuam sendo bons, mas o que falta é o bom senso. A questão do sampler não deve ser vista com ressalvas, inclusive, nós o fazemos o tempo todo. O problema está na forma de como é utilizado. Esta ferramenta possibilita a produção de muitas coisas de uma forma criativa, barata, rápida e prática.

Não prejudique seu aprendizado

Com a essa facilidade, criou-se uma tendência viciante de produção. Na verdade, trata-se de uma referência estética limitada, justamente pelo fato de que a maioria das pessoas sempre usam os mesmos samples, criando um estereótipo de sonoridade.

Ao invés de investir tempo, exercitar a criatividade e, naturalmente, aprender com o processo, o sampler faz com que a pessoa fique gastando tempo de pesquisa com coisas prontas na internet. Nossa ideia aqui é que você use samples, mas também crie os seus próprios samples.

 

Saiba usar os plugins de forma criativa

Quando usar samples, manipule-os e seja criativo! Não se limite a usar as coisas de forma pronta, pois todas as produções precisam que você tenha algum nível de diferenciação. Outras, por exemplo, irão exigir inovação para que o fonograma se destaque.

Quando usamos presets prontos e não realizamos uma adequação ao fonograma, estamos deixando de ter a experiência de manipular os parâmetros e ter o aprendizado auditivo essencial na mixagem. Para se tornar um grande engenheiro de mixagem você vai precisar ter muita experiência nesse tipo de manipulação de equipamentos diversos.

Pratique!

Você pode começar com o preset desde que saiba como adaptá-lo ao seu material de gravação. A primeira coisa a fazer é encarar o preset de mixagem como uma referência. Afinal, esta é a função para a qual o próprio fabricante o fez. Dessa forma, você poderá aprender, a partir dos presets, a avaliar a maioria dos parâmetros, permitindo refletir melhor sobre os porquês da sua escolha.

Por isso, essa escolha depende do objetivo e da funcionalidade estética. Ter a nossa própria coleção de samples seria o ideal para quem se propõe a construir um banco de dados. Tenha-o na mão, cada amostra, timbre, acordes, etc.

 

Experimente sem medo

É na base de tentativa e erro que se aprende. Hoje em dia, muitas pessoas que iniciam os estudos sobre gravação e processo de mixagem pensam que áudio é apenas proveniente dos computadores, com instrumentos virtuais, junto com os presets e samples. Mas, é preciso desmistificar esses conceitos. Ao usarem esses artifícios, as pessoas terminam por limitar a sua própria capacidade de criação.

Somente a experiência é que vai dar estímulo para produzir cada vez mais e melhor. Pratique o máximo possível, grave diferentes instrumentos, descubra os seus limites. Saiba se atualizar e expandir o seu conhecimento de forma contínua. Compreenda bem que as ferramentas que estão aí disponíveis podem te ajudar a obter vantagens e alcançar resultados de extrema qualidade. Dizer que tal plugin tem um som “x” ou “y” simplesmente pelo seu preset de mixagem, na maioria das vezes não significa o bastante.

Conclusão

Para que você tenha o real conhecimento de todos os fenômenos que estão acontecendo, terá de tomar decisões muito mais assertivas. Gastando, assim, menos tempo e, logicamente, menos dinheiro. E o mais importante: você irá criar os seus próprios presets, que também servirão como referência e como um ponto de partida.

Então, gostou das orientações de hoje? No nosso curso online Por Dentro da Mix, existe um módulo chamado “Meu Processo da Mixagem”, no qual trabalhamos e estimulamos todas as questões ligadas à criação de próprios presets de mixagem.

curso online de mixagem

Um abraço,

Alwin Monteiro

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *