BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Já se perguntou o que realmente está por trás daquela “cor” de determinado plugin? Ou o porquê de determinados dispositivos digitais ou analógicos externos soarem diferentes, mesmo desativados, só pela passagem do sinal? Tudo isso é causado por um efeito chamado de Distorção Harmônica Total e é o assunto do vídeo de hoje:

Baixe gratuitamente nosso eBook sobre sintetizadores 👇


sintetizadores

 

“O que é Distorção Harmônica Total?”

Distorção harmônica é um fenômeno gerado por dispositivos não lineares. Isto significa que variam a relação entre sua corrente e sua tensão por conta da variação irregular das diferentes reatâncias, tanto capacitivas, quanto indutivas de um circuito.

Este fenômeno permite que harmônicos das frequências fundamentais, existentes nos sinais de entrada dos dispositivos, sejam criados dentro do próprio circuito. Para exemplificar o este fenômeno podemos, simplesmente, colocar um sinal sem harmônicos, uma “sine wave perfeita”, na entrada de um dispositivo e realizar uma análise através de um spectrum meter – medidor de espectro.

Distorção harmônica total do plugin Puigchild da Waves. Note que, mesmo com o circuito de compressão desativado, já há distorção harmônica.

Distorção Harmônica Total do plugin Puigchild da Waves. Note que, mesmo com o circuito de compressão desativado, já há distorção harmônica.

Nesta análise, verificamos que após ser processado pelo circuito do dispositivo, nós não teremos mais uma “sine wave perfeita”, uma vez que o circuito criou harmônicos que, mesmo que de forma muito sutil, modificam a forma da onda original.

obs: note os picos azuis mais baixos à direita da fundamental. Estes harmônicos são resultado do plugin.

Para medir a distorção harmônica, precisamos de um ter uma onda perfeita, sem harmônicos. Assim podemos distinguir quais harmônicos são gerados no circuito e quais já pertenciam ao sinal original.

 

THD – Total Harmonic Distortion (Distorção Harmônica Total)

Para medirmos a distorção harmônica total de um circuito, precisamos verificar a amplitude de cada harmônico gerado em relação à fundamental do sinal de entrada. Este cálculo nada mais é do que uma média dos níveis de tensão em relação à entrada.

Distorção Harmônica Total, onde: V1 é a frequëncia fundamental e V2, V3 e V4 são os demais harmônicos

Distorção Harmônica Total, onde: V1 é a frequëncia fundamental e V2, V3 e V4 são os demais harmônicos. Assim, podemos representar a distorção harmônica total como uma porcentagem da amplitude do sinal de entrada.

Obs matemática: Sendo mais específico, leia a raiz quadrada da soma dos quadrados dos diferentes níveis de tensão, em RMS, dos harmônicos dividido pela tensão da frequência fundamental, resultando na Distorção Harmônica Total.

Este cálculo usa a potência de 2 (ao quadrado) para, matematicamente, poder somar as fases positiva e negativa do sinal elétrico. A raiz serve para corrigir esta potência, permitindo a média. Dessa forma, o resultado será o mesmo se elevarmos o V1 ao quadrado ao invés de usarmos a raiz quadrada.


A Cor do Plugin

A Distorção Harmônica Total e os seus comportamentos não lineares nos mostram como cada dispositivo possui um caráter específico trazendo características peculiares ao mesmo.

Nas práticas da mixagem in-the-box, existe uma determinada tendência, por parte dos usuários de plugins, em limitar-se aos parâmetros visíveis de um determinado dispositivo, o que nos tira o foco para características do som, que é o que de fato importa.

O conjunto de harmônicos de um determinado sinal é um dos fatores que mais afeta o timbre, por isso não podemos deixar de avaliar como essas não linearidades estão contribuindo para o resultado final da nossa mixagem.

Realize testes em sua casa e veja como cada plugin tem uma característica de distorção harmônica diferente, ou, não tem distorção harmônica. Alguns plugins são o que chamamos de “plugin transparente”, sem nenhuma característica “timbrística” individual.

 

Mão à Obra!

Por fim, teste estes mesmos equipamentos em diferentes tracks e veja os diferentes resultados que você pode obter a partir disso. Em resumo: Não tem receita de bolo!

Comece a descobrir suas preferências e mãos à obra!

 

Um abraço!

Alwin Monteiro

ps: Temos um grupo de áudio no Facebook para você enviar dúvidas e sugestões!


sintetizadores

Faça parte do nosso grupo Áudio: Teoria e Prática.

Inscreva-se em nosso Canal no Youtube!

2 Comentários

  1. joaquim domingos

    quero saber muito mais sobre taxa de distorção harmônica

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *