99 Problems – Jay Z: Por Trás dos Grandes Álbuns! #1

Que tal uma experiência nova? Hoje lançamos nossa série: Por Trás do Grandes Álbuns! Acompanhe nossa análise produções fonográficas e descubra um pouco mais do que está por trás de grandes sucessos! Começamos com a produção da música: 99 Problems do Jay-Z produzida por Rick Rubin, um mestre da produção musical.

Por Trás dos Grandes Álbuns: 99 Problems – Jay-Z

História 99 Problems – Jay-Z

Segundo Jay-Z, a ideia da música veio de uma história onde um jovem negro passa por uma abordagem policial. Saindo da situação sem maiores problemas, ao ver que tinha escapado de uma patrulha de cães farejadores, ele cantou o hook da música do Ice-T chamada “99 Problems” originalmente lançada no álbum “Home Invasion” de 1993. 

Após essa situação Jay-Z resolveu colocar esse hook no refrão de uma nova música. Para isso, ele precisou licenciar a obra do Ice-T com a editora que a representa. O Ice-T não gostou muito da ideia e da falta de referência ao compositor original do hook.

Produção de Rick Rubin

Rick Rubin produziu toda a track usando samples de músicas como base da seção rítmica, além de colocar um riff de guitarra com dois power acordes na música toda. Ele modificou e processou esses samples e deu um peso “urbano” e uma cara de “hip hop moderno” com “raízes antigas” para a música.

Sample de The Big Beat – Billy Squire

Um dos principais fonogramas usados no sampleamento foi a bateria da gravação de The Big Beat, do Billy Squire, música sampleada em diversas outras produções de hip hop.

Um dos principais fatores que faz com que esse fonograma seja sampleado em diversas outras produções é o caráter “espacial” da bateria com muito punch e distorção harmônica.

Processamentos do Microfone de Sala

Uma das técnicas mais tradicionais para se obter esse “som de bateria gravada da década de 80” é gravar em uma sala bem grande e utilizar um compressor 1176 no modo all in, modo em que a distorção harmônica e a compressão da unidade chegam ao seu máximo.

A partir desta hipótese, tentei exemplificar a estética fazendo uma demonstração no vídeo com uma emulação do 1176, o plugin CLA-76 da Waves. Usei esse compressor principalmente no que seria o material captado pelo microfone de sala.

Com base no exemplo do vídeo, acredito ser muito provável que o 1176 tenha sido usado no microfone de sala da gravação original da música The Big Beat.

Mesmo sample em Girl On Fire – Alicia Keys

Uma outra música na qual estes mesmos samples do fonograma The Big Beat podem ser encontrados é na gravação original da obra Girl On Fire da Alicia Keys. Reparem na bateria do começo da música, utilizando os mesmos samples e soma eles a outros samples.

Na track 99 Problems do Jay-Z e Rick Rubin, a caixa soa diferente da track original, uma vez que as amostras de áudio foram cortadas para modificar o arranjo. Reparem que o som do sustain e do release da caixa ficam diferente da original, pois obviamente ele teve que fazer cortes no áudio para poder alternar entre as amostras de bumbo e de caixa.
Claro, a compressão e o reverb dão uma mascarada neste corte e deixam soando mais “natural”.

Sample de Straight Outta Compton – N.W.A

Um outro sample que dá pra perceber bem foi retirado da música Straight Outta Compton de N.W.A

Também foram usados samples de outras 3 músicas. Claro, todos esses samples são processados para chegar ao timbre e lugar no arranjo antes de ir para a mixagem.

Rick Rubin na Prática com Jay-Z:

As gravações e toda a produção foram conduzidas por Rick Rubin, enquanto Jay-Z fez improvisos em cima da música na hora, criando todas as letras no momento em que cantava.

Mixagem de Andrew Scheps:

Com tantos sons já bem pensados e processados para chegar ao seu lugar, não foi necessário muito esforço do Andrew Scheps para mixar o fonograma todo. Na prática, muita coisa veio pronta da produção do Rick Rubin, que recortou, colou e processou de várias formas todo o material, para então mandar em fita para o engenheiro de mixagem.
O que Andrew Scheps fez, foi usar um 1176 nos main vocals do Jay-Z e processar os stems de samples que o Rick Rubin editou através e um Fatso. Ele fez isso em uma mesa analógica que, dos 28, 4 estavam quebrados. Filtrou uns 5 canais com os equalizadores da mesa e foi isso aí!

A Versão de 99 Problems – Body Count (ICE-T)

Depois de toda essa produção, ICE-T quis fazer mais uma versão da música com sua banda Body Count, a fim de mostrar que 99 Problems é composição sua. Ele usou o mesmo riff de guitarra usado na versão do Rick Rubin.

O Que Aprendemos:
Existem muitos fatores envolvidos na produção de um álbum! Neste primeiro post pudemos conferir diversos deles, desde o licenciamento das obras e fonogramas, o processo de gravação de alguns samples e a versatilidade do uso dos samples na música. Um ótimo exemplo da versatilidade e espaço para criatividade em nossa indústria.

Um abraço!

Alwin Monteiro


Quer ter um Home Studio? Conheça o Guia Definitivo para Montar Seu Home Studio Profissional e economize na hora de montar o seu. 😉

Faça parte do nosso grupo Áudio: Teoria e Prática.

Inscreva-se em nosso Canal no Youtube!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *