BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Quando se trata de produção fonográfica, muitas vezes, utilizamos recursos sobre os quais não entendemos todas as funcionalidades. Portanto, é importante entender sobre cada particularidade das ferramentas utilizadas para aperfeiçoar o trabalho.

Alguma vez você já teve dificuldade em entender como utilizar o compressor? Acontece que esse é um tema que ainda gera muitas dúvidas. Muitos entendem por alto do que se trata, mas acabam não explorando ao máximo suas funcionalidades. O compressor pode se tornar um grande aliado do músico e/ou produtor musical, se for aplicado criativamente.

Por isso, hoje vamos falar sobre esse recurso muito usado na hora de realizar a sua mixagem. Neste artigo, vamos abordar sobre o compressor que você utiliza no seu digital áudio workstation ou em sua cadeia de sinal analógica, que é o Compressor de Mix Bus ou “Main Out”.

Entendendo por partes: o que é e para que serve um compressor?

Um compressor é, basicamente, um processador de dinâmica. Afeta o envelope do sinal de áudio afetando a variação dinâmica através destas manipulações. Por exemplo: se, em uma gravação, o cantor varia a intensidade da voz em determinados momentos da música, o compressor pode fazer com que tal variação de intensidade diminua – o mesmo se dá em relação a qualquer sinal de áudio processado pelo compressor.

O compressor afeta a amplitude dos transientes agindo em picos de sinal ou na média quadrática do mesmo (em nível RMS).  Basicamente, o compressor faz com que você comprima parte do sinal de áudio, permitindo diferentes modificações no sinal, como o surgimento de novos harmônicos e outras possíveis variações.

Em todas as opções, a compreensão desse mecanismo e a técnica trará benefícios. Através de técnicas diversas usadas na manipulação dos transientes, os compressores podem fazer com diferentes partes do envelope do sinal de áudio sejam alteradas. Pode gerar, então, tanto um ataque enfático com punch, ou mais suavidade. Em outros momentos, menos alteração dinâmica na média do sinal.

Dessa forma, deixando nas mãos do engenheiro de mixagem a decisão de moldar a faixa, conforme a proposta ou desejo daquele projeto. Tudo por meio do uso de compressor.

 

Processando o sinal através do Compressor de Mix Bus ou “Main Out”

Agora, vamos entender como utilizar o compressor através do Mix Bus ou “Main Out”:

Nesses processamentos é necessário estar atento a alguns pontos principais:

  • as diferentes frequências;
  • como ativam o detector do compressor;
  • como fazem os sinais que compõem a imagem estéreo ser comprimidos.

Todos esses pontos te ajudarão a compreender o que, de fato, o compressor está fazendo.

O objetivo desse recurso é aglutinar os elementos da música e fazer com que tenham uma interação dinâmica mais coerente entre si.

 

Parâmetros de um compressor

Para conquistar o resultado desejado com a sua compressão de mixbus, é preciso escolher o compressor que você utilizará. Para que você acerte, é essencial que conheça e avalie todos os parâmetros dos compressores que você pode vir a utilizar no seu mix bus. Além disso, entenda sobre suas características sônicas, como distorção harmônica total, resposta de frequência e alteração de impedância entre os diferentes estágios da compressão.

Abaixo listamos alguns dos mais importantes aspectos que o compressor de mix bus ou “main out”, comumente, terá para que ele possa ser versátil o suficiente e adaptável às diversas estéticas musicais que você pode vir a mixar.

 

Side Chain Filter

Side Chain Filter funciona como um filtro que permite que o compressor seja ativado apenas em determinadas frequências. Na verdade, é um filtro que age antes do detector do circuito do compressor. Possibilita que o compressor não reaja tanto a algumas frequências reduzidas por este filtro, criando outros efeitos.

Alguns compressores possuem diferentes tipos de filtros antes do detector que funciona em sidechain. Através desses diferentes tipos de filtros podemos fazer com que o compressor reaja menos a uma determinada frequência.

Por exemplo: se usarmos um High pass filter antes do detector, fará com que as frequências abaixo a partir desse filtro não ativem o detector do compressor com a mesma intensidade que nas demais frequências.

 

Redução de Ganho

Através deste parâmetro, você poderá avaliar o quanto o compressor está efetivamente fazendo redução de ganho, ou seja, o quanto está afetando diretamente a estrutura de ganho do sinal que está sendo processado. Você terá acesso ao número em db (decibéis) referente à redução que o compressor está gerando.

 

Knee

Determina a taxa de aplicação de razão de compressão de acordo com a dinâmica do sinal, mesmo antes de atingir o Threshold, ou seja, a curva de detecção do threshold e o ratio aplicado ao sinal até se atingir o ponto do Threshold onde ele aplica a razão final.

Por meio do Knee, podemos optar pela intensidade da compreensão a ser realizada. No caso do Hard Knee, a compreensão será mais forte – e somente acontecerá a partir de um uma dinâmica mais próxima do nível ao estabelecido pelo threshold. Se a sua escolha for pelo Soft Knee, você optará por uma compressão que acontecerá suavemente, antes mesmo de atingir o nível estabelecido pelo threshold.

 

Ataque

O ataque determina o quanto vai demorar para o processador de dinâmica começar a atuar após o Threshold ser atingido. Seja através de um instrumento ou da voz, existe uma curva que nos apresenta de que maneira foi dado esse ataque.

Por exemplo: se você deseja liberar os transientes – ou seja, o espaço entre um sinal e o seguinte –  você deve deixar o ataque lento. Se você deseja eliminar os transientes, a dica é usar um ataque rápido.

Essa diferença, normalmente, se trata de ajustes em milisegundos. Porém, fazem diferença no contexto completo do áudio em questão.

 

Release

Tempo até parar de atuar após o nível dinâmico chegar abaixo do nível estabelecido no Threshold. Isto acontece porque nele podemos ajustar o momento em que o compressor irá parar de atuar comprimindo o sinal. Ele iá parar de influenciar o envelope do sinal e deixará de atuar sobre o mesmo. Muitas vezes, o sinal que possui compressão configurada com um release rápido ganha muito mais sustentação. Isto, justamente por não comprimir o release dos transientes.

 

Escolha de um compressor

Agora que já entendemos alguns dos parâmetros mais importantes que um compressor possui, podemos começar a avaliar qual é a escolha para a aplicação do mix bus de sua mixagem, quando o assunto é compressão de mix bus.

Bom, precisamos lembrar que existem diversos compressores tradicionais usados neste local do processamento de sinal de áudio. Nem todos, obrigatoriamente, vão oferecer todos os controles que citamos acima. Alguns controles já são pré-configurados, ou seja, você não poderá alterar sua configuração original. Alguns destes compressores variam o seu knee, seu tempo de ataque, release e sua taxa de compressão de acordo com a sua topologia e seu tipo de circuito.

Você poderá encontrar compressores de estrutura bem variada. Existem os compressores valvulados, FET, VCA ou ópticos. Variam em suas funções e também possuem características sonoras particulares, podendo dar mais ou menos balanço para música a ser trabalhada. Eles também podem gerar mais distorção harmônica, mais ou menos imagem estéreo e também alterar a profundidade dos elementos na mix.

 

Entre os compressores mais tradicionais para esta função estão:

 

Shadow Hills

Shadow Hills

 

SSL Bus Compressor

SSL Bus Compressor

 

API 2500

API 2500

Compressor: pesquisar é sempre a melhor solução!

Através deste artigo, esperamos que você tenha tido um panorama geral de como funcionam os compressores de modo geral, e o Compressor Mix Bus ou “Main Out”, em particular. Nossa dica é sempre pesquisar qual compressor poderá atender as suas necessidades de maneira mais completa.

Não deixe de acompanhar nossos artigos para descobrir cada vez mais sobre recursos que vão te ajudar a obter melhores resultados com o seu trabalho na música.

Aproveite para conferir nosso Guia Definitivo sobre Como Montar seu Home Studio.

mix bus ou "main out" home studio

 

Um abraço!
Alwin Monteiro

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *