BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Para quem está no mercado do hip hop, um bom beat, que case com o flow que você tem a oferecer, é fundamental na hora da composição. É necessário criar uma base, para que, com o beat aliado à letra da música, a mensagem que você deseja transmitir seja repassada com perfeição. São várias etapas do mesmo processo que acabam influenciando bastante até o produto final.

E cada vez mais, na atualidade, é comum a compra de beats prontos para utilização no flow desejado. E esse texto visa comentar sobre essa prática, e listamos cinco motivos para que você NÃO continue comprando beats fechados para compor seus sons. O texto é baseado no vídeo “COMPRAR BEATS PRONTOS: 5 motivos para você PARAR de fazer isso”, disponível no canal da Ossia no Youtube.

 

 

Um pouco de história

Historicamente, o mercado de hip hop não começou com uma base pronta para que o flow fosse aplicado sobre a mesma. O beat sempre foi criado com referências de samples e outras coisas gravadas anteriormente unidas pela edição. Se você quer transmitir uma mensagem e se comunicar com seus ouvintes, não faz muito sentido pegar algo pronto e criar sua lírica embasado naquilo, afinal isso acaba limitando sua ideia e fugindo da transmissão da mensagem por meios artísticos.

Embora seja o caminho mais fácil, pegar beats prontos sempre são um método um tanto quanto restritivo de fazer seu som. Por isso, listamos aqui cinco pontos a serem relevados antes de tomar tal decisão.

 

1) O beat não encaixa perfeitamente com o flow

O discurso presente no beat pronto não é, artisticamente, o que você quer passar na mensagem com exatidão. É muito importante pesquisar a linha de composição feita no rap americano, como por exemplo o Dr. Dre e toda essa linha de G-Funk, Boom Bap e Gangsta Rap. Os rappers do “West Coast” sempre costumaram gravar bastante coisa: baixo, teclados, guitarras, ou seja, nada vinha pronto para que se fizesse o flow em cima. Logicamente, eram usados samples de várias fontes diferentes, mas de forma artística para que fechasse com a ideia que se desejasse transmitir.

 

Analogia

Então, fazendo uma comparação, é como se você fosse falar algo. Antes de falar, você desenvolve um pensamento sobre o que deseja ser transmitido. Pegar um beat pronto é como pegar um pensamento pronto e tentar encaixar em sua fala. Por mais que, esteticamente, a ideia seja semelhante, a imagem não vai ser passada da melhor forma. Ou seja, pense no que você quer dizer, monte o beat de acordo com o que deseja ser transmitido, e monte seu flow sobre ele.

 

2) Você deixa de adquirir experiência

Ao comprar beat você acaba não fazendo parte do processo de criação do beat que será utilizado em sua obra. Muitas vezes, as pessoas não tem um vasto conhecimento de harmonia, rítmica e alguns outros pontos da teoria musical, e acabam desistindo antes mesmo de estudar. É aconselhável que se utilize das dificuldades como oportunidades de aprendizado.

Claro, nem sempre será fácil! Às vezes será necessário chamar uma outra pessoa para produzir esse beat para você. Entretanto, isso é muito saudável, pois há a possibilidade de interagir com ela e transmitir a ela qual a mensagem que você deseja transmitir. E isso só enriquece seu trabalho. Uma vez o beatmaker sabendo qual a ideia que você tem para seu beat, ele pode alterar ou incluir arranjos para complementar seu flow na música.

 

3) Você deixa de enriquecer seu trabalho

Ao não criar seu beat com outra pessoa, você deixa de enriquecer o campo de influências acerca de seu trabalho. Com outra visão coexistindo com a sua, a mensagem que você deseja transmitir ganha novos contextos. A partir disso, você pode ter adicionados à sua música novos elementos para que você crie seu flow em cima, ganhando conteúdo em todas as etapas – rimas, palavras e até mesmo no próprio ritmo e outros fatores relacionadas ao arranjo.

Então, as vezes o flow está em determinada divisão rítmica. No entanto, elas podem ser aprimoradas com a carga de influências que o beatmaker traz e que podem agregar ainda mais à obra. Vale a pena essa troca de experiências.

 

4) Modificação do flow por causa do beat

Esse motivo dialoga diretamente com o item número 1. Se você quer transmitir uma mensagem específica por meio de seu som, não faz muito sentido você precisar mudar sua lírica para que ela se adapte ao beat comprado. O som pode se tornar um tanto artificial e a ideia não ser transmitida com tanta clareza.

 

5) Não traz inovação comprar beat

O beatmaker sempre tentará fazer um beat para que as pessoas comprem ele. Ou seja, uma coisa mais “standard”, mais pronta e nada única. Se você cria, pode trazer um discurso novo ao seu trabalho, e não simplesmente uma coisa comum e mais padrão. O que não significa que a coisa comum não pode estar presente no trabalho. Muitas vezes a inovação está presente em algum instrumento ou sample pouco usual e assim por diante.

Agora, se você quer fazer inovação, é necessário enfrentar o processo de aprendizado como um todo e aprender um pouco mais sobre instrumentos virtuais.

 

Para você entender…

Em resumo, comprar beat é uma prática que limita e por vezes até reduz seu flow a algo indesejado. A mensagem transmitida é algo importante no rap e ter que modificar ela por conta de um beat que não foi produzido por você em nenhuma etapa pode trazer mais dores de cabeça que facilidade ao seu processo de composição. Use a criatividade, não tenha medo de aprender e se renove. Seguindo esse caminho, as chances de chegar ao resultado esperado são muito maiores.

Aproveite que você está neste clima de aprender mais e confira nosso Curso Online Por Dentro da Mix.

 

 

Um abraço,

Alwin Monteiro

1 Comentário

  1. victor

    nada ve

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *