BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Saber todas as vertentes necessárias para se gravar violão em casa é primordial para quem trabalha com home studio. Mas, qual é a melhor forma de fazer com que sua gravação soe bem estando num ambiente interno onde todas as interferências acabam modificando o som que será captado? Esse é o tema deste texto: aprenderemos a gravar violão de aço em casa da maneira mais eficaz possível.

O texto é embasado no vídeo “Como Gravar Violão de Aço Em Casa”, disponível no canal da Ossia no Youtube.

 

 

A pré-gravação

Antes de irmos diretamente para a parte prática, é necessário avaliar alguns aspectos técnicos para que o som saia da melhor forma possível nos microfones. A partir disso, é recomendável que se respondam três perguntas:

 

1) Qual cômodo é mais adequado para o propósito da minha gravação?

Os aspectos acústicos são cruciais na hora de gravar seu violão em casa. Dependendo do seu propósito, muda a gravação, a sala e o que se espera que soe do violão. Então, antes de mais nada, é necessário se avaliar como é essa sala onde a gravação estará sendo feita:

  • Ela é reflexiva?
  • Tem paredes de alvenaria?
  • Móveis de madeira?
  • Qual o tamanho dela?

Observe também:

  • Características dos materiais reflexivos ou absortivos, tais como cortinas, sofás, estantes ou outros objetos dispostos pelo ambiente que ajudam na absorção ou na difusão do som. Onde estão posicionadas as paredes de alvenaria, totalmente reflexivas.
  • Para que o violão soe como se fosse gravado em estúdio, onde as reflexões não ficam tão ásperas quanto as reflexões primárias do som do violão, é indicado que se grave num ambiente grande, sem ter proporções exatas, com mais madeira, proporcionando assim uma reflexão mais natural.

 

A partir disso, é preciso posicionar todos os microfones da maneira desejada e medir quais vão ser as distâncias entre eles e a fonte sonora (o violão), além das reflexões da sala. Assim, é possível entender as interferências de fase que ocorrerão ao som chegar no microfone. Depois, se necessário, fica mais fácil mudar a ênfase da frequência a depender do comprimento de onda – que será calculado.

 

2) Quais equipamentos são necessários para que se possa fazer a gravação?

Violão

Como é esse violão? Ele é realmente adequado para o propósito que estou seguindo? As cordas são novas o suficiente? Essas questões devem ser avaliadas antes de se fazer a gravação, pois impactam muito no resultado.

 

Microfones

Eles podem ser condensadores, de fita, dinâmico, etc. Enfim, existem vários microfones diferentes que trabalham de maneira diferente e devem ser avaliados de acordo com o propósito. Mas também há a opção de se trabalhar sem eles, e sim com o captador do violão. Isso, de forma geral, não é muito recomendado, pois os captadores, em sua maioria, não tem um som muito “bonito”. Se utiliza mais pra gravações ao vivo ou em ambiente que não se tem muito recurso, com muito vazamento de ambientes externos, por exemplo.

 

Pré-amplificador

O pré-amplificador é imprescindível para gravar, independentemente de se utilizar microfones ou captadores. Alguns tipos de circuitos mais complexos dos captadores dos violões tem um pré-amplificador embutido. No entanto, isso é raro de se encontrar. Na maioria das vezes, é necessário alimentar o captador (ativo) com uma bateria de 9 volts e também uma entrada num pré-amplificador com a impedância e o nível de tensão adequados para que se receba esse sinal do violão. Caso não se tenha essa entrada, pode-se utilizar uma DI (direct injection) passiva. Ela faz uma aproximação da impedância e do nível tensão para as entradas de microfone, e o resultado fica superior à conexão direta entre a saída do violão e a entrada de nível de linha.

 

Microfones condensadores ou microfones de fita ativos

Em casos de microfones condensadores ou microfones de fita ativos, que precisam de alimentação de phantom power, é recomendado conectar o microfone e ativar 48 volts. A partir disso, ele envia um nível de tensão para o microfone, e o circuito ativo do mesmo vai ser acionado para que se tenha mais sensibilidade a diferentes sinais.

 

3) Como é a performance do músico?

A última pergunta a ser respondida é também importante na pré-gravação.

  • O músico toca muito forte?
  • Utiliza as cordas mais graves ou as mais agudas?
  • Como ele interage com a palheta?
  • Qual é a posição mais confortável do violão para ele?

Para se tocar ao vivo, pode ser melhor que se toque mais forte, mas na gravação pode ficar um tanto excessivo, com bastante sons de palheta ou outros problemas. Baseado nisso, será necessária a percepção e a instrução ao músico sobre como está ficando o som de acordo com a performance do mesmo.

É importante se ressaltar que a palheta faz bastante diferença na hora da gravação. No vídeo, é utilizada uma palheta macia, mas, novamente, isso pode mudar de acordo com o esperado por quem está gravando.

 

Gravar violão na prática

Na hora da gravação, pode-se adaptar o ambiente para que, de alguma maneira, o som fique com a menor interferência possível. Uma alternativa é colocar um cobertor ou almofada para que se elimine a primeira reflexão, que vem diretamente da parede atrás do músico para o microfone. Além disso, tem que se avaliar bem o aspecto da diferença entre o som que está sendo captado e a reverberação do ambiente. Por isso, é importante monitorar e gravar algumas vezes, para depois checar e fazer as mudanças necessárias.

 

Como funciona no vídeo

No vídeo, é utilizada a microfonação de par estéreo, com um microfone condensador de diafragma largo e um condensador de diafragma pequeno. Os microfones tem padrão polar cardioide, ou seja, eles não vão captar os sons que vem de trás do diafragma nem de outras regiões com mesma intensidade que o da frente. Assim, o posicionamento consegue dar direcionalidade para a captação deles.

É também interessante a utilização dos microfones bem abertos na imagem estéreo. Dessa forma, a diferença de fase que eles implicam, por conta da diferença de distância deles em relação à fonte sonora ser muito pequena, acarretará em harmônicos bem agudos. Outra forma de se gerar essa imagem mais aberta é utilizando um par x-y virado para o violão.

 

Microfones dinâmicos

O uso do microfone dinâmico não é muito recomendado, com exceção para as pessoas que possuem somente ele ou onde se tem muita pressão sonora do ambiente externo para o interno. A ideia da captação é pegar a ressonância do tampo do instrumento, que fica um pouco abaixo das cordas. Assim, não se perde o strumming das cordas, mas se tem mais ressonância de tom, não pegando apenas o ataque mas também a vibração do tampo.

Mesmo assim, o som fica um pouco mais comprimido e com muito efeito de proximidade. Provavelmente, será necessária a utilização de um high pass filter um pouco mais forte para gravações com o microfone dinâmico.

Importante: evite posicionar o microfone na boca do violão. É ali onde se tem o fluxo de saída de ar decorrente da vibração do corpo do violão. Com isso, o som do instrumento sai um tanto fechado.

 

Conheça seu propósito

Saber qual o resultado se espera chegar é primordial para qualquer aspecto da gravação, e aqui não é diferente. Como são vários fatores que acabam alterando a forma que o som se resultará, leves mudanças alteram bastante o resultado final. Seja ele mais ruidoso, com mais palhetadas, um som mais grave ou agudo. Enfim, são várias as maneiras que se pode chegar apenas com alterações na reverberação. É um processo de entender o que está sendo feito e de que forma se tem a mudança desejada.

 

Agora que você já está por dentro de várias questões que envolvem gravar violão em casa, aproveite para conhecer nosso Curso Online Por Dentro da Mix. Com ele você vai aprofundar seus conhecimentos sobre uma série de assuntos que envolvem produção musical.

 

curso-de-mixagem

 

Um abraço,
Alwin Monteiro

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *