BLOG OSSIA

Toda semana com conteúdos sobre áudio, música e produção musical.

Hoje em dia, ter a oportunidade de criar o nosso próprio Home Studio e gravar guitarra em casa já não é mais utopia. Produzir em casa se tornou uma das peças-chave para a criação musical. O rendimento de estar num ambiente doméstico, além de ser mais econômico, permite qualificar o processo criativo e aprimorar a criatividade. Isso nos possibilita experimentar mais. Afinal, não temos restrições de tempo tão rígidas como em um estúdio alugado.

Diversos artistas e bandas já gravam em casa a algum tempo, a fim de promover uma cara “cool” para seus trabalhos finais. Sobre este assunto de como montar um Home Studio, divulgamos um vídeo no canal do Youtube da OSSIA. Também temos um ebook de Manual de Home Studio com tudo que você precisa saber sobre montagem e como escolher cada equipamento.

O que é preciso para gravar guitarra em casa

Para assegurar qualidade, você vai precisar de alguns equipamentos básicos:

O computador: a escolha de uma CPU cujo processador seja eficiente, com boa memória RAM para o armazenamento de possíveis instrumentos virtuais, Digital Audio Workstations; bons instrumentos, cabos, pré amplificadores e conversores de AD/DA, e claro um computador que suporte todo o processamento in-the-box.

Instrumentos e pré-amplificadores: os instrumentos de qualidade são, no final das contas, a parte mais importante de toda gravação. No caso dos amplificadores, escolha um que se adeque melhor às suas necessidades. Entenda a tradição de uso dele e, acima de tudo, teste e use-o para ver como você irá relacionar a performance ao seu timbre. Lembre-se: se ele soa de acordo com a estética procurada, é um bom sinal!

Cabos, conectores e conversores AD/DA de ótima qualidade, pois interferem diretamente na gravação final.

Monitoração de qualidade: seja com fones de ouvido ou com monitores profissionais externos, é muito importante ter um equipamento para monitorar com qualidade a gravação que você fará. Mesmo que não consiga monitorar em tempo real, você pode monitorar entre os takes para fazer ajustes na captação.

 

Recomendações para gravar guitarra em casa

Gravar um trabalho de áudio no Home Studio pode parecer fácil no primeiro momento. Mas, se não levarmos em consideração os pontos anteriores, aquele desejo de liberdade e economia podem ir por água abaixo. É lógico que existem equipamentos que vão de A a Z, assim como existem orçamentos extremamente caros e outros mais módicos. O investimento adequado e o conhecimento são os alicerces da qualidade da sua gravação.

Importante: uma questão para levar em conta na hora da gravação é sobre a rede de energia elétrica. Fator que causa o chiado ou “sujeira” no som. Para isso, é importante uma instalação de rede elétrica pensada para tal finalidade, que conte com aterramento correto e com condicionadores de energia nivelando picos de tensão para filtrar a rede no caso de possíveis “loops de terra”.

Agora que falamos sobre as orientações técnicas a respeito dos materiais necessários e do funcionamento deles, vamos direto para a gravação. Lembre-se que não existe receita de bolo. Você deve sempre ter em mente a sonoridade na qual quer chegar.

 

Microfones SM57

O SM57 (“Studio Microphone”) é o microfone mais usado na história da indústria fonográfica, usado nas mais diversas aplicações. Inclusive, o estúdio é só um dos locais de trabalho onde ele é usado. Portanto, ele serve tanto para uso em espaços abertos (gravações ao vivo) quanto para estúdios. O SM57 é um microfone excelente que serve tanto para instrumentos quanto para voz.

A vantagem de utilizar o SM57 para captar amplificadores de guitarra é o fato de que ele possui uma impedância elevada para um microfone e sua resposta de frequência enfatiza uma região média. Além disso, possui um pico na região aguda entre 4kHz e 7kHz, onde se encontra a região conhecida pelos guitarristas como “presence”, a qual o ouvido humano possui maior sensibilidade.

Diz a lenda que todo estúdio que se preze por uma gravação profissional, ou mesmo semi-profissional, deve ter incondicionalmente um Shure SM57. Convenhamos, para gravar guitarra recorrentemente é importantíssimo ter alguns padrões gerais para iniciar o trabalho, a lenda do SM57 é bem válida!

Mas, por que? Hipoteticamente, o SM57 é um microfone que segue os padrões daquilo que é considerado baixa impedância. Porém, quando comparado a um outro microfone e observado a “actual impedance”, percebemos que ele possui uma impedância relativamente alta. Esse fator faz com que ele tenha uma perda de frequências subgraves e hiperagudas. Tornando, assim, o som com características médias mais presente (excelente para guitarra).

 

Como definir o timbre a ser gravado?

Para avaliar o timbre que você procura para o som de guitarra, você deve buscar referências estéticas de sons de guitarra que lhe agradam. Se você for gravar uma guitarra com groove dançante, provavelmente você vai procurar uma stratocaster da fender e um amplificador como um Fender Frontman ou um Fender ’65 Twin Reverb ou até um Peavey Classic 50. Já se você gosta de um som mais “vintage crunch”, pode usar um Vox AC30 com uma Gibson 335 com captadores P90.

Os sons de guitarra variam muito, e existem infinitas formas de usar de tradições estéticas para chegar no som que você procura. Isso ocorre em todos os processos da gravação, seja na escolha das cordas do instrumento, microfones, no posicionamento dos mesmos e parametrizações do amplificador e potenciômetros da guitarra.

Para atingirmos a característica do som de guitarra que procuramos, precisamos selecionar bem os captadores. Isto, a fim de ter a impedância e o nível de saída ideais para se conectar com os pedais e com os amplificadores usados. Resultando, assim, no timbre ideal.

Uma combinação clássica é o uso de captadores single coil das Fender Stratocaster 59/60 em amplificadores do tipo Peavey Classic, som que criou o esteriótipo da música dance e pop dos anos 70. O gênero musical, a música específica, muitas coisas podem variar no momento de gravar guitarra, no entanto, considere os seguintes pontos:

 

Ponto 1

Comparar o resultado de suas gravações ao resultado que você tem em suas referências. Idealmente, devemos tentar chegar em um resultado muito próximo ao resultado final já na gravação.

 

Ponto 2

As características acústicas do ambiente afetam diretamente a sua gravação. Se o ambiente é mais reflexivo, e possui muitas reflexões primárias e/ou se ele possui alguma ressonância no ponto da sala onde você está posicionando os microfones, isso afetará diretamente a sua gravação. Por isso, caso você não consiga usar a sala artisticamente a seu favor, pode utilizar reverbs, delays e outros diversos recursos de forma criativa para compensar a falta de ambiência do som da sala, ou mesmo para adicionar ao som captado do ambiente. Para isso, é importante estudar a tradição estética dos diversos usos desses efeitos em suas referências.

 

Ponto 3

É fundamental que seu instrumento esteja regulado. Isso promove uma ergonomia mais adequada, precisão de afinação e o timbre que você procura de acordo com a forma com que o guitarrista toca.

 

Posicionamento de microfones e amplificadores

Primeira dica

Uma forma tradicional de usar o SM57 é colocá-lo à frente do cone do alto-falante trazendo um som impactante e com certa saturação do próprio cone. Para identificar o cone do mesmo, você pode observar com uma lanterna a parte interna do amplificador onde se posicionam os alto-falantes. Essa característica “comprimida” média com presença também em 5kHz faz com que o som traga as características de gravações clássicas que são feitas desta forma.

Segunda Dica

O posicionamento para microfonar o amplificador é relativo ao timbre desejado no momento da gravação. Exige um conhecimento técnico e muito prática. Na hora de gravar, cada movimento, cada espaço e posicionamento, altera intensamente o timbre.

Em geral, não é bom que o amplificador fique grudado na parede. Isso pode causar ressonâncias em frequências graves. Se a sua sala tiver paredes totalmente paralelas, isso pode causar um cancelamento de fase em algumas frequências, bem como ênfases de fase em outras, causando um desequilíbrio de frequências na gravação. Para reduzir este problema, você pode colocar o alto-falante em uma posição diagonal da sala. Direcionado, dessa forma, de uma das pontas até a outra.

Terceira Dica

Existem diversos microfones que se mostram excelentes para gravar amplificadores de guitarra. Dentre os mais tradicionais temos:

  • Dinâmicos Shure SM57, Sennheiser 421 e Sennheiser 441.
  • Microfones de fita Beyerdynamic M160 e Royer 121.
  • Condensadores Akg 414, Neumman U87 e Neumman U47.

Quarta Dica

Em relação à acústica da sala, todos os móveis do quarto devem ser levados em consideração. Isto, pois a difração, a reflexão e a refração são fenômenos que afetam diretamente o resultado. O isolamento acústico funciona para evitar que vaze o som do quarto ou da sala. Tratar acusticamente a sala, com difusores e absorvedores resolverá problemas recorrentes, como ressonâncias indesejadas e reflexões primárias desagradáveis. Já para isolar a sala, você precisará montar uma estrutura com paredes pensadas para isso. Esta última, pode te ajudar a evitar a gravação de sons vindos de um ambiente externo.

Tente sempre evitar colocar a guitarra no sentido oposto da parede. Isto, porque o reflexo se dará instantaneamente na captação do microfone. Gerando, assim, interferência de fase (construtiva ou destrutiva).

O ideal é na posição transversal, com o amplificador na diagonal em relação à parede. Igualmente vale para o uso de dois microfones. Ou seja, devemos saber qual a distância real que o axis do microfone está em relação ao alto falante.

 

como gravar guitarra

 

Se quisermos que as fases dos sinais de áudio dos dois microfones fiquem mais alinhadas, uma coisa que ajuda muito é manter os axis do microfone alinhados com a mesma distância em relação ao alto falante.

Quinta Dica

Como princípios básicos de gravação, é importante ter bem definido o timbre da guitarra o qual pretendemos chegar antes de começar a gravar. Isso economiza tempo e foco na hora da gravação. Pense que você está verdadeiramente em um estúdio! Isso se chama pré-produção. A pré-produção talvez seja a parte mais importante de todo o processo. É ali que você escolherá os timbres, o arranjo, a forma e os elementos que você pode trazer ao fonograma para que ele traga a emoção que você precisa.

Sexta e Última Dica

Escolher o amplificador será um diferencial muito importante para a qualidade final. Saiba pesquisar por referências e por tradições estéticas de cada tipo de equipamento. Informe-se sobre o som dele e como você pode usá-lo de forma artística e inusitada.

Agora que você está por dentro de como gravar guitarra em casa, aproveite para conhecer nosso guia que mostra como Montar seu Home Studio.

manual do home studio

Um abraço,

Alwin Monteiro.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *